Compreendendo SPARQL e se aproximando do conhecimento armazenado na Wikidata pelas consultas semânticas

A linguagem SPARQL é uma linguagem de consulta de RDF, logo funciona como uma forma de criar condições lógicas de busca a partir da lógica de descrever a informação pelas triplas Sujeito -> Predicado -> Objeto. Sem dúvida, é uma forma nova de pensar a construção de filtros de busca e expressões quando em comparação com o tradicional SQL.

Continue lendo “Compreendendo SPARQL e se aproximando do conhecimento armazenado na Wikidata pelas consultas semânticas”

Construindo uma estratégia para publicação de acervos em rede na infraestrutura informacional da Wikimedia

Um dos pontos mais importantes dos projetos abertura e publicação de acervos digitais em rede é evidenciar novas formas de reuso da informação, permitindo com os objetos sejam remixados de diferentes maneiras, recontextualizados e sirvam como subsídio para a produção de novos conhecimentos. Cultura gerando cultura.

Tenho pesquisado várias formas de fazer isso e procurando identificar estratégias que sirvam para potencializar e ampliar o impacto dos acervos publicados em rede. O que mais tem me chamado atenção é o uso da infraestrutura informacional da Wikimedia Foundation, com seus vários projetos interligados, tais como Wikidata, Wikipedia, Wikimedia Commons, entre outros. As possibilidades de reuso da informação entre os projetos e a forma como isso pode ser socialmente compartilhado realmente chama a atenção para uma forma de construção da Internet que de fato potencializa a formação de coletivos inteligentes e valoriza os esforços institucionais de museus, bibliotecas e arquivos na constituição de seus acervos que agora podem ser mais facilmente apropriados em diferentes contextos.

Continue lendo “Construindo uma estratégia para publicação de acervos em rede na infraestrutura informacional da Wikimedia”

Explorando GraphDB e OpenRefine para transformar dados tabulares em dados ligados em RDF

O GraphDB é um banco de dados semântico (muitas vezes, chamados de bancos de dados do tipo NOSQL) que possui uma versão gratuita e uma boa documentação para que se possa começar a experimentar formas de tratamento e análise de dados, sobretudo aplicando a linguagem SPARQL.

O GraphDB possui algumas características muito interessantes, que pretendo ir destacando em várias postagens por aqui. Mas, uma delas que vale a pena olhar atentamente desde os primeiros passos, é que ele possui um módulo chamado OntoRefine, que é praticamente a incorporação do software livre OpenRefine dentro do GraphDB. Isso torna a ferramenta um potente analisador de dados e, sobretudo, fornece funcionalidades fundamentais para transformação de dados relacionais em dados semânticos.

Continue lendo “Explorando GraphDB e OpenRefine para transformar dados tabulares em dados ligados em RDF”